<$BlogRSDUrl$>

quarta-feira, 31 de março de 2004

3.24 

Sentei-me em frente ao computador. São 3.24 da manhã.
A esta hora não sai nada de jeito. Nem divagações, nem textos piadéticos, nem coisas que tenham finos recortes de uma ironia que adoro usar.
Além disso, isto hoje foi duro. Até o dentista consultei, dando-me ele a óptima notícia que só tinha um dente cariado, nada de especial, "se lavasse os dentes já nada disto acontecia" (humor negro de dentista, com certeza).
Nada de jeito vai sair daqui. Nada mesmo. Até porque o reactor nuclear que tenho no cérebro já se desligou há muito.
Por isso, mais vale ir dormir.
Até amanhã.

P.S. São 3.29. Demorei cinco minutos a escrever isto. Só para que notem a minha capacidade de raciocínio a esta hora...

Etiquetas:


terça-feira, 30 de março de 2004

Ensaio geral 

... e porque os morangos são vermelhos, a relva é verde e as palmeiras estavam a abanar quando corria na praia...
Porque raio é que a minha firewall não dá sumo?
E porque é que o meu relógio não cola as folhas do meu caderno?
E porque é que a Toyota não faz telemóveis como antigamente?
E os rectângulos desviados pela inércia de Napoleão, o que fazer com eles?
E porque é que a vida nunca é como queremos?
E porque é que as pessoas nos desiludem?
E porque é que tudo isto parece não fazer sentido?

Etiquetas:


Hoje recebi: 

- Uma sms do Brasil;
- Um postal de Itália;
- e um beliscão do Porto.

Foi um dia interessante, sem dúvida.

domingo, 28 de março de 2004

Nada 

Cheguei a casa com este pensamento: “A vida é feita de pequenos nadas” (já Sérgio Godinho o dizia na música homónima).
Mas então se um nada é nada, e se defende como sendo nada (s.m. ausência de quantidade; ausência quer absoluta, quer relativa, de ser ou de realidade; o que não existe, ...), como pode a vida ser feita de pequenos nadas?
A vida é nada?

Etiquetas:


Noite 

Havia muito tempo que não saíamos assim.

sexta-feira, 26 de março de 2004

Escrever 

Podia escrever imenso. Podia dizer-vos tudo o que (não) se passou ontem. Podia dizer-vos como acordei hoje. Mas se ontem não teve significado, o que significa o hoje?

Etiquetas:


quarta-feira, 24 de março de 2004

Há muito tempo... 

Acordo. Um leve despertar, como o são todos. Acordo. Com uma estranha dor de cabeça, um conjunto de emoções que me trespassa o coração e me faz doer tudo.
Acordo. Mas nada do que me rodeia é igual. Tudo é diferente. Paredes de pedra, janela que parece um postigo, cama muito alta em relação ao chão, almofada (mas eu nem sequer uso almofada!), e umas botas para calçar ao lado da cama. E uma roupa muito estranha mesmo para vestir.
Acordo. Mais desperto agora. Saio do quarto por uma porta de madeira, não sem antes reparar que a fraca luz que me rodeia é a de tochas acesas... mas que raio se passa?
Acordo. Desço a escada. Sim, só há um caminho a tomar. Desço e encontro a sala de jantar. Pensei que era de manhã, mas o que vislumbro são pessoas a comer, a beber e a fazer um barulho incrível que me confunde e agudiza a dor de cabeça.
Acordo, mas não vejo. Simplesmente sento-me onde me mandam, não como porque não tenho apetite. Tudo se cala de repente. Vejo uma pessoa a levantar-se, com ar estranho, mas sei instintivamente que é o bardo.
Acordo, mas não vejo. Porque outra pessoa se levantou. És tu, eu sei que és tu. Estás igual, quer aqui quer na realidade. Estás aqui. Simplesmente aqui.
Acordo. Toco-te na face. Estás simplesmente deslumbrante. Sinto a tua pele, o teu toque, a vida.
Acordo. Mas quero sonhar outra vez.

Etiquetas:


sábado, 20 de março de 2004

Post dedicado (ou não...) 

Ontem, em amena cavaqueira no MSN com uma rapariga com nome de desenho animado (Pikaxu), ela "sugeriu" (ou impôs?) que eu escrevesse um post sobre as meninas da Católica que foram ao Brasil connosco...
Ora, eu nem seria eu se cedesse a pressões. Portanto, Mariana, Luísa (grande), Luísa (pequena), Inês e Catarina (Pika): eu não faço um post dedicado aos dias que passamos no Brasil, nem vou pôr a Poeira como música do blog outra vez.
Porque eu não cedo a pressões. Nem sequer vou referir que vocês foram as únicas pessoas da Católica que foram simpáticas o suficiente para se destacar numa amálgama de pessoas desinteressantes, nem vou dizer que houve momentos como o quase-nascer-do-sol que a Inês e a Luísa (grande) partilharam comigo e com o Barulho que ficarão guardados na memória.
Também vos digo: o Brasil é bem. Foi uma semana do caraças! Lembro-me daquelas viagens de camioneta em que fomos metendo conversa uns com os outros, com o Barulho sempre no centro das atenções... Enfim, saudades.
Mas não cedo a pressões. Não vou escrever um post em que diga que foi engraçado o facto de nos termos encontrado na Casa Agrícola depois, nem que ver as fotos trazem uma nostalgia...
Portanto, não esperem por um post deste género....

quinta-feira, 18 de março de 2004

Pensamento do dia 

Às vezes, simplesmente, não temos paciência.

Etiquetas:


quarta-feira, 17 de março de 2004

Moral = 100% 

Conversa de MSN:

Ela diz:
por falar nisso, até já punhas outro post
Tiago diz:
pois era
Tiago diz:
mas n m apetece..
Tiago diz:
n sei o k hei-de escrever.
Ela diz:
falta de inspiração?
Tiago diz:
n é bem isso.. mas falta de assunto..
Ela diz:
escreve sobre gajas... inspiração n faltará,cm certeza.
Tiago diz:
O que queres dizer com isso?
Ela diz:
1º ...és gajo...normalemnte n costuma faltar inspiração / 2º cm td um background numeroso c m o teu... assuntos e polémicas e cenas assim n devem faltar
Ela diz:
podes contar peripécias, aventuras...
Ela diz:
tipo... qts vezes já tiveste de te esconder atrás das cortinas...etc...

Cortinas? Sou assim tão bom?

segunda-feira, 15 de março de 2004

Troca de ideias 

"O Português? Para mim não vale nada. Eu sou de computadores! Programo tudo em zeros e uns!"

"O Português vale tudo. Porque sem Português nem saberias como fazê-lo!"

Nas Engenharias é incutido, neste ensino sem direito a comentários que temos, que a Língua Portuguesa não é importante. O que é importante é o cálculo, o racionalismo, o pensamento directo e objectivo. O facto de lermos, escrevermos e falarmos em Português é relegado para segundo plano.
Por outro lado, em Letras é-nos ensinado o desprezo pela Matemática (ou fomentado o desuso da mesma), em vez de apreendermos alguma da elasticidade da mente que nos é dada pela mesma. O que importa é saber escrever, tudo o que pudermos e quisermos, sem critério e sem qualquer tipo de objectividade. Porque por muito que os professores o defendam, quem escrever mais é porque sabe mais (e, logo, quem é mais sucinto sabe menos).
E porque não acrescentar a todos (sim, TODOS) os cursos de Engenharia uma disciplina de Português e a todos os cursos de Letras uma de Matemática? É que, assim, saíamos todos beneficiados...
Mas deve ser apenas mais uma ideia revolucionária e utópica de minha parte. Afinal, o facto de ter feito o 12º ano com formação em Ciências e tirar um curso de Letras não deve dar nenhum conhecimento extra de como as coisas se desenrolam.

domingo, 14 de março de 2004

Walking in the air 

É a nova música do blog... Não vos apetecia, por vezes, simplesmente caminhar no ar? Ou sentem-se, na vossa felicidade, a fazê-lo?

Nightwish - Walking in the Air

We're walking in the air
We're floating in the moonlit sky

The people far below are sleeping as we fly
I'm holding very tight
I'm riding in the midnight blue
I'm finding I can fly so high above with you
On across the world
The villages go by like dreams
The rivers and the hills
The forests and the streams
Children gaze open mouthed
Taken by surprise
Nobody down below believes their eyes

We're surfing in the air
We're swimming in the frozen sky
We're drifting over icy
Mountains floating by

Suddenly swooping low on an ocean deep
Rousing of a mighty monster from his sleep

We're walking in the air
We're dancing in the midnight sky
And everyone who sees us greets us as we fly...

sexta-feira, 12 de março de 2004

E, como o futebol não me alimenta,... 

... cá estamos.
Hoje as conversar rodearam, inexoravelmente, o dia de horror vivido em Espanha. Terrível o balanço de um conjunto de atentados criminosos que, na realidade, confundem.
Porque não foram prontamente reivindicados, porque foi encontrado um livro com versos do Corão perto de um dos locais, porque foram reivindicados por e-mail mais tarde...
E, obviamente, como em tudo neste Mundo, a culpa de quem é?
Do Bin Laden.
Ou não.

Etiquetas:


quarta-feira, 10 de março de 2004

Man United 1-1 FC Porto 

"A crispação, recorde-se, começou já há três semanas, quando Ferguson se lembrou de dizer que o FC Porto conquistava campeonatos quase por decreto e ganhava jogos de forma tão fácil como quem compra um pacote de leite no supermercado Tesco - a propósito, o PÚBLICO está agora em posição privilegiada para adiantar que qualquer interessado em vencer encontros na SuperLiga terá de pagar entre 60 pence a 1,85 libras (entre 0,9 e 2,80 euros), conforme queira resultados magros, meio gordos ou gordos."

in Público, 09/03/2004

E agora, sir Alex? Como descalçar esta bota?

terça-feira, 9 de março de 2004

Persiana 

"Num fim da tarde igual a muitos outros, abri o que restava da persiana entreaberta do quarto. E a luminosidade tornou-se incomparavelmente maior aqui dentro.
Poderemos alguma vez abrir assim a persiana da alma?" (Baú das Palavras, 08/03/2004)

Foi de facto engraçado. Estava aqui no computador, numa tarde mesmo como outra qualquer... e achei que a luminosidade era pouca dentro deste quarto. Decido levantar-me e abrir o resto da persiana, de modo a entrar um pouquinho mais de luz - não estava era à espera que um movimento tão simples servisse para me pôr mais bem-disposto (sim, porque eu não estava mal-disposto). A luminosidade clareou um pouco da escuridão deste quarto e do espírito irrequieto que aqui pairava e que não reconhecia como meu.
Que falta que eu sinto do sol... põe-me logo com outro espírito.

Etiquetas:


segunda-feira, 8 de março de 2004

Dia Internacional da Mulher 

Estou à espera de uma prenda em todo e qualquer singelo dia deste ano. É que não havendo um Dia Internacional do Homem (e apesar de alguns "homens" se identificarem com este dia...), acho que merecemos que todos os outros dias sejam Dia Internacional do Homem.
Apesar de que, pensando bem, eu não queria um Dia Internacional do Homem. Afinal, este dia só serve para demonstrar o quão mais fraco é realmente o sexo fraco... Até precisa de um dia que reconheça como seu.

sábado, 6 de março de 2004

Devaneios... 

Acordo, espreguiço-me e levanto-me da cama. Estou ali, no meu quarto, de pijama (azul, claro) e olho em redor para um quarto às escuras (não vejo nada, como é óbvio).
E de repente ouço a voz do Gabriel Alves: "E Tiago avança destemidamente para a porta do quarto, passa pela cómoda com um perfeito domínio do esférico, o estádio rejubila!!" Rapidamente me detenho, porque não pode ser. O Gabriel Alves??
Continuo ("ainda não acordei, f%d@-se") e abro a porta do quarto. Olho para a frente e... vejo o sol. "O sol??" Olho para baixo, para onde costumava estar a alcatifa, e vejo um precepício. Lá em baixo, em pequenino, vê-se um grande oásis (com as inevitáveis palmeiras), rodeado de muçulmanos doidos à volta de uma pira de troncos, numa cena que parece retirada de um filme.
Como consigo olhar lá para baixo? Nunca tive vertigens, mas para poder ver aquilo com esta definição toda... tenho olhos de falcão.
Mas espera... Eu sou um falcão! E salto da porta do meu quarto, e vôo.. Por aí, sem fim. Olho para baixo, mas todo aquele cenário já não me interessa. É um sacrifício, mas não quero saber. Porque nada me diz respeito, estou só eu e o Mundo inteiro.
É grandiosa a visão aqui de cima. Sinto as asas, sinto a minha plumagem em contacto com os deuses dos ventos. Eles levam-me para um destino incerto, mas também não me interessa. Plano, simplesmente, deliciando-me com tal proeza de me tornar uma ave.
E os morangos são vermelhos, e o amarelo rodeia-me. Porque, de repente, sou apenas uma árvore. E volta o Gabriel Alves, entrevistando-me: "Então como se sente? Acha que vai vencer o derby hoje?"

Etiquetas:


sexta-feira, 5 de março de 2004

Pensamento do dia... 

A prática faz a perfeição.


Curiosidade do dia: os últimos posts não são tristes, por muito que pareçam. São apenas constatações de factos... Mas não ando triste! De qualquer forma, obrigado aos milhares de leitores pelos mails, sms e telefonemas a dar força. Obrigado especialmente ao David Beckham, que foi simpático o suficiente para me emprestar a Victoria para a festa chique que tenho hoje.

Etiquetas:


Hoje... 

... Braga simplesmente já não era a mesma!

Etiquetas:


quarta-feira, 3 de março de 2004

Despedida 

Estás nu. Deixei-te despojado de tudo o que era meu, porque se fechou um ciclo. Retirei-te memórias e recordações, não ficaste com nada porque não o posso permitir, mas a saudade fica sempre.
Porque passei alguns dos meus melhores momentos dos últimos anos "contigo", e alguns dos piores também. Partilhaste-os comigo: alegrias e tristezas, euforias e "depressões", músicas, conversas várias (algumas estupidificantes e outras até bastante profundas) e momentos que ficarão sempre guardados aqui dentro.
Mas chegou o momento de te dizer adeus. E voltar para onde pertenço.
Adeus, quarto de Braga.

Etiquetas:


"Insensível" 

Não tens sentimentos, não (te) ligas às pessoas, as pessoas para ti são descartáveis, desligas-te muito facilmente de toda a gente, parece que não sentes nada.
As coisas são mesmo assim, a vida é assim, ligo às pessoas. Só que tenho uma particularidade: não o demonstro da forma mais normal. Não choro.
Mas não é por isso que sinto menos.

Etiquetas:


segunda-feira, 1 de março de 2004

Metallica 

Nunca a música do blog foi tão apropriada como agora. É que acabo de comprar o bilhete mágico que me permitirá ir ao Rock In Rio ver Metallica, ao vivo. Estou que nem posso!
No mesmo dia (4 de Junho) ainda temos: Moonspell, Sepultura, Incubus (...) e Slipknot.
METALLICA!

Isto não está fácil II 

Cheguei a casa agora. Guardarei a mensagem que tu, Glória, me mandaste mesmo no finzinho. E desejo o mesmo que desejei às tuas amigas: boa sorte.
E não te esqueças: uma brasileirita aqui para mim é que era...

Etiquetas:


Isto não está fácil 

Acabo de chegar a casa de vos levar ao aeroporto. Queria apenas desejar boa sorte para ambas, mas não posso deixar de frisar para a Ana: Cuidado com os pacotes brancos. Os chocolates são ainda muito difíceis de fabricar.
Sara: é bom que me tragas um cachecol do Napoli, para a minha colecção. Depois de ir ao aeroporto, acho que mereço... ;)

Vai correr tudo bem. Boa sorte...

Etiquetas:


This page is powered by Blogger. Isn't yours?