<$BlogRSDUrl$>

sexta-feira, 25 de maio de 2007

Sensação estranha... 

É como ela diz: é "o complexo da distância próxima: quero estar para ti, mas não quero estar contigo." É isso mesmo.

Só retiro o "quero", e insiro um "posso".

Etiquetas:


quinta-feira, 24 de maio de 2007

Questão nº 2392842791 

Porque é que a dor tem que ser molhada?

Etiquetas:


segunda-feira, 21 de maio de 2007

Campeões! 

Etiquetas: ,


quarta-feira, 16 de maio de 2007

Madeleine 

Esperei uns dias antes de me expressar sobre este assunto, pois achei que devemos sempre tentar analisar este tipo de situações da forma mais fria e distanciada possível.

Portanto, e na minha opinião, continua a ser um pouco precoce analisarmos a situação toda do rapto da miúda por um motivo: não temos em nossa posse todos os dados necessários. No entanto, algumas considerações:

- já todos estamos habituados a algum sensacionalismo dos nossos media. A verdade é que, como li há dias não sei onde, damos mais importância a isto do que a uma tragédia da dimensão da do Darfour. No entanto, e como desta vez a polícia parece estar a fechar-se (e bem) em copas, as notícias têm-se baseado sempre no mesmo: suposições ou a mera comunicação de como está o ambiente no local do rapto/desaparecimento. Agora já há um suspeito, que diz ser bode expiatório. Será que não o é mesmo? Palavra final para os media britânicos, que simplesmente se chateiam por não terem pormenores. É o costume, nem vale a pena incomodarmo-nos.

- quanto à aparente falta de cuidado dos pais, li no Público do passado dia 9 que, em surdina, era comentado pela maior parte dos casais estrangeiros que estão no nosso All-Garve que poderia, indeed, ter acontecido a qualquer um. Não tem a ver com ileteracia, nem com qualquer tipo de formação profissional - penso que é uma questão de hábito. Pelo que percebo, neste resort as pessoas sentiam-se protegidas e seguras, e daí o aparente facilitismo com que a família brindou as suas crianças. Como se costuma dizer, casa roubada, trancas à porta.

- para mim, o importante aqui é mesmo perceber algumas pontas da história:


1- Os pais (ou algum casal amigo, num sistema rotativo que pelos vistos existia) foram, de facto, verificar como estavam as crianças de meia em meia-hora ou, como dizem os empregados, nunca lá foram? O que falhou aí e porque falhou?

2 - A janela estava de facto aberta?;

3 - Como é possível ninguém ter visto ninguém a sair do resort com "uma criança debaixo do braço", por assim dizer?;

Para terminar, considero que a polícia está a fazer um bom trabalho. Com resultados duvidosos, mas também porque me parece que isto não foi feito por amadores. Diria que foi tudo bem planeado, bem pensado e ainda mais bem executado. E, arrisco-me a afirmar, com conivência de alguém de dentro do aldeamento.

Quanto à solidariedade relativamente aos pais... Eu acredito que é assim que deve ser feito. Já mal devem estar eles por a criança ter desaparecido. E, acima de todos, eles sabem que estiveram mal.

Para terminar, duas hipóteses: ou a miúda já está muito longe, ou então já está morta.

Etiquetas:


segunda-feira, 14 de maio de 2007

And then pop.. Goes my heart! 

Excelente! Simplesmente excelente! Não há dúvida que o Hugh Grant encontrou na Drew Barrymore a companhia perfeita para este tipo de comédias românticas. E este vídeo é do melhor, não haja dúvidas. Para ouvir com som! (Tirado daqui)



I never thought that I could be so satisfied, Every time that I look in your angel eyes. A shock inside me that words just can't describe, And there's no explaining. There's something in the way you move, I can't deny, Every word from your lips is a lullaby. A twist of fate makes life worth while, You are gold and silver. Ha. Ha. Ha.

[CHORUS]

I said I wasn't gonna lose my head, but then POP! Goes my heart. I wasn't gonna fall in love again, but then POP! Goes my heart. And I just can't let you go, I can't lose this feeling.

[VERSE 2]

These precious moments, we have so few, Let's go far away, where there's nothing to do but play. You shown to me that my destiny's with you, And there's no explaining. Lets fly so high, will you come with me tonight? In your dress, I confess, you’re the source of light. The way you shine in the starry skies, You are gold and silver.

[CHORUS]

I said I wasn't gonna lose my head, but then POP! Goes my heart. I wasn't gonna fall in love again, but then POP! Goes my heart. And I just can't let you go, I can't lose this feeling. (instrumental) A twist of fate makes life worth while, You are gold and silver. Ha. Ha. Ha.

[CHORUS]

I said I wasn't gonna lose my head, but then POP! Goes my heart. I wasn't gonna fall in love again, but then POP! Goes my heart. I said i wasn't gonna lose my head, but then POP! Goes my heart. I wasn't gonna fall in love again, but then POP! Goes my heart. And I just can't let you go....

Etiquetas:


sexta-feira, 4 de maio de 2007

Bom início, Paulo Portas! 



Paulo Portas, o recém-eleito líder do CDS/PP, começou em grande o seu mandato. Na campanha eleitoral da Madeira, o senhor-que-queria-colocar-o-PP-no-Centrão-Político-nacional decidiu afirmar, e repetir, que "O trabalho liberta".

Ora, como muitos de vocês saberão certamente, esta frase encontra-se escrita na entrada da maior parte dos campos de concentração nazi.

Gostava de perceber o que foi isto. Um flop gigantesco, uma maneira destrambelhada de falar ou se, por outro lado, foi uma aproximação radical e perigosa à extrema-direita...

A minha opinião mantém-se. Este homem - e quem o elegeu - só pode ver o Mundo de forma muito, muito, muito diferente da minha.

Etiquetas:


This page is powered by Blogger. Isn't yours?