<$BlogRSDUrl$>

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Bater no fundo 

Sabem quando é que vão ter a certeza que bateram no fundo?

Quando nem a vossa médica de família vos quiser ver.

Etiquetas:


quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Olha, foda-se. 

Não pode ser. A sério, não pode.

Etiquetas:


terça-feira, 28 de outubro de 2008

Conselhos. 

Ouvindo o industrial, revejo e re-sinto (a palavra existe? Devia existir) aquele pormenorzinho do vazio. Tu sabes do que falo. Are you ready ?

O vazio palpitante, que por vezes te invade. (Não consigo evitar estas repetições, são inconscientes, como reformulações de pensamento que me fazem falta.) Sacred Words.

O frio acolhe-nos finalmente nos seus braços. Envolventes. Haverá algo mais acolhedor que o frio? Que a Cold White Light?

Haverá melhor que a noite a cair, calmamente, num final de tarde em que o melhor que tens a fazer é ficar dentro de casa? E sais, porque te apetece. Porque deves enfrentar os teus medos. Dispossession.

E sentes o corte, a força, as lágrimas nos olhos, o toque deste frio que não te larga. Os pés e as mãos geladas, e a promessa do quente seguinte. A Moment in Time.

Que te faz mover para o inexorável destino, com os teus passos bem contados. Com os tempos bem escalonados. Com energia, mas algum desvairio. Momentos em que sais de um quente para outro quente, mas bem mais frio. Confuso? Talvez. Mas verdadeiro. 'Cause it's a Great Big White World.

Em que procuras sinais, locais, sugestões que não existem mais. Perdidos pela tua existência e vivência, as situações não voltam mais. E o industrial acompanha ainda, agora mais gótico. Sem te virares para trás. Mesmo sabendo que o poderias fazer. Unreachable.

Sabes sempre que amanhã é outro dia. Que o final desse quente-e-frio é libertador, apesar de ainda stressante. Seja ele solarengo ou não. Paradise Lost.

Frio, mas quente. Não te deixes é cair na rotina. Pois corres o risco de ficar com a tensão alta. Ou com artérias a mais. Another Day.

Etiquetas:


sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Soltas v2.0 

As lutas internas são as piores. Aquelas em que queres dizer ao teu raciocínio para ir dar uma volta, enquanto o teu raciocínio diz às tuas emoções para irem ver se chove.

Entre dar uma volta ou ver se chove, qual a diferença?

A sanidade mental?

O discernimento?

As escolhas que fazemos?

As vidas que vivemos?

As vidas em que mexemos?

Não gosto de ser bobo da corte de mim próprio.

P.S. Hoje escrevi algo que nunca publicarei. Finalmente, dirão alguns. Porque o digo? Porque gostava que mo pedisses.

Etiquetas:


quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Frase do dia - atrasada, claro 

Não há nada pior que faltar com a palavra dada a nós próprios.

Etiquetas:


sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Mudança de som 

Pela primeira vez desde há uns tempos muito largos, mudei a banda sonora do Fechado Para Obras.

Para melhor. E mais adequado ao momento.

Etiquetas:


quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Frases do(s) dia(s): 

"Ai melher..."

"Alguém que me deite a mão!"

"Andas histérica!"

"Ninguém te segura!"

"Sete segundinhos de loucura!"

"Ai quando chegar a Grande Fome..."

Etiquetas:


segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Ouçam bem: 

Starlight
I will be chasing a starlight
Until the end of my life
I don't know if it's worth it anymore.

(Muse, Starlight, Black Holes & Revelations, 2006)

Etiquetas:


sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Vocês 

Ao reler textos da Idade Média Fechada, deu-me para vos contar e me relembrar de muitos.

E, acreditem: vocês são mesmo muitos.

Etiquetas:


quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Emptiness of Speech 

Sabem, às vezes apetece-me escrever. Sinto falta daquele frémito de loucura, daquele discorrer de palavras momentâneo, da revisão e leitura daquela palavra, daquela frase.

A verdade é que, quando me sinto desinspirado, me sinto um bocado vazio. A inspiração, no meu caso, tem fases bem específicas. E se, por um lado, é bom não ter o que escrever, é péssimo não ter que escrever.

A catarse do turbilhão interno é sempre de valorizar. Evitar uma certa solidão de discurso, um vazio dos termos, a falta de confiança no verbo.

E já aconteceu ter um aperto cá dentro e não saber como o exprimir. Talvez porque não sei a que se deve. Ou saiba, mas não queira admiti-lo. O certo é que ele está lá.

Etiquetas:


segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Pergunta do dia: 

Quem vai ver o Mamma Mia, gosta e sai de lá mais alegre é um bocado sensível demais, não é?

Etiquetas:


This page is powered by Blogger. Isn't yours?